quarta-feira, 26 de dezembro de 2007

Feliz Ano Novo

Imagens Para Orkut


Orkut Graphics

Que 2008 seja um ano de transformação,
para alguns de afirmação,
para outros de reflexão.
Que este ano não seja apenas mais um,
seja um ano de bondade e de felicidade.
Que as pessoas deixem de festejar o natal apenas no natal ,
Que as pessoas deixem de fingir ser o que não são.

Que a hipócrisia encontre um fim,
(Por favor deixem de ser hipócritas!)
A maldade, a falsidade acabe de vez.

Seria muito mais fácil viver num mundo justo,
num mundo de gente real, autêntica, verdadeira,
Que não deixasse de ser o que é
apenas porque queria ser maior,
porque queria prevalecer...

Seria um ano maravilhoso,
um mundo espantoso,
sem mentira.

sábado, 22 de dezembro de 2007

terça-feira, 11 de dezembro de 2007

Neste natal


Neste Natal,

as minhas prendas irão ser recheadas de ternura,

cobertas com carinho,

oferecidas com amor.

Não quero perfumes, nem roupa

nem bens valiosos.

Melhor do que isso

é conseguir oferecer paz, comida e carinho

a todos o que o ano inteiro

choram, gritam, sofrem...

Mas acima de tudo,

neste natal,

o meu maior presente será

conseguir transportar para os outros dias do ano

os momentos de solidariedade que se vivem nestes dias,

às vezes de uma forma tão artificial.

sexta-feira, 7 de dezembro de 2007

O QUE ACONTECERIA SE:


O QUE ACONTECERIA SE:

Todos os cidadãos do país passassem a fazer algo útil / produtivo.
Todos que pudessem, fossem voluntários a alguma actividade de interesse
comunitário.
Cada cidadão ajudasse os necessitados, no âmbito de suas possibilidades.
Cada cidadão tivesse a postura de contribuir de alguma forma para resolver os problemas críticos do país.
Conseguíssemos resgatar os valores básicos de solidariedade, cooperação, honestidade... no país como um todo.

Não podemos esperar que os tempos modifiquem para que sejamos arrebatados pelas mudanças.
Nós somos a mudança, nós somos o futuro.


(Desconhecido)

sábado, 1 de dezembro de 2007

1 de Dezembro (Feriado Nacional)


Dia 1 de Dezembro é Feriado Nacional.

Fico surpreendida por ver que nas televisões nacionais não se fala sobre este dia nem sequer consta que existam comemorações significantes em relação a este dia.


Fico triste porque é uma parte da nossa história que se vai apagando, porque as pessoas estão mais preocupadas com o consumismo desmedido que se tornou o Natal.

Mas para aqueles que não sabem e gostariam até de saber um pouco deste feriado aqui fica:


1 de Dezembro de 1640 - Restauração da Independência


No dia 1º de Dezembro assinala-se a restauração da Independência de Portugal. Falecido o cardeal-rei D. Henrique, em 1580, sem ter designado um sucessor, Filipe II de Espanha, neto do rei português D. Manuel I. Invadiu Portugal e submeteu-o a 60 anos de domínio. Foram três os reis espanhóis que governaram Portugal entre 1580 e 1640 – Filipe I, Filipe II e Filipe III. A capital do Império passou a ser Madrid e Portugal foi governado como uma Província espanhola. Como é natural, os portugueses viviam descontentes e compreendiam que só uma revolução bem organizada lhes poderia trazer a libertação. Assim, no dia 1 de Dezembro de 1640, um grupo de 40 fidalgos dirigiu-se ao Paço da Ribeira onde estavam a Duquesa de Mântua, regente de Portugal, e o seu Secretário, Miguel de Vasconcelos. A Duquesa foi presa e o Secretário morto. Foi assim que Portugal recuperou a sua independência, sendo D. João IV, Duque de Bragança, aclamado rei, com o cognome de "O Restaurador".

Opinião

Existe as 1001 noites e existe os 1001 textos que tenho para ler no curso que frequento.
De facto torna-se cansativo esta longa caminhada, embora feita com gosto.
Mas por vezes sou surpreendida com frases que me marcam e com as quais partilho da mesma opinião. Aqui deixo uma para que possamos reflectir:
"(...) maravilhados porque desceram das árvores, perderam o rabo, copulam de frente e, mais do que tudo, porque falam, os homo-sapiens se perderam no horizonte crepuscular de uma existência prosaica demais. Demasiadamente humanos, precisam de reencontrar-se com a natureza diluírem-se nela, para que seja possível exercitar a parcimônia diante de apetites vorazes e incontrolados."
Bom fim de semana

quinta-feira, 29 de novembro de 2007

Saudade


Sempre estiveste comigo,
Até mesmo quando não precisei,
Tu estiveste comigo…


Agora que estou só,
Agora que me sinto angustiada,
Agora que estou totalmente arrasada,
Tu não estás…


Não te sinto,
Não te ouço,
Nem tão pouco te vejo…
Porquê?
Sempre fui tua amiga,
Sempre te aconselhei,
Nunca te deixei.

Sinto falta do teu carinho,
Sinto falta do teu amor.
Tenho saudades de ouvir a tua voz,
De sentir o teu cheiro,
O teu calor…


Onde estás?
Porque não vens?
Não me deixes sozinha,
Tenho medo da solidão…

segunda-feira, 26 de novembro de 2007

Fantasma da ópera



Intenso, apaixonante, tocante...


Para mim o melhor musical alguma vez feito. ADORO.

domingo, 25 de novembro de 2007

Ilumina-me

Cada vez mais apaixonada pela música de Pedro Abrunhosa.

Fantástico, fantástico...

O filme está um pouco extenso mas a música é que interessa.

Grande homem, grande poeta, grande música.

quinta-feira, 22 de novembro de 2007

A magia da arte gestual

Sem ti


A viola toca…
Toca, suave e lenta
Como se esperasse algo…
E eu aqui estou,
Sem ti.

Procuro não pensar,
Mas o meu coração sente…
Tento procurar-te
Erguendo o olhar sobre
O horizonte, e nada,
Tu não estás.
Mas será que virás?

A viola toca,
Agora mais expressiva
Como se procurasse algo.
E eu, ao som da viola
E com o olhar fixo a um copo
Ouço,
Choro,
E espero…
Um dia vou encontrar-te!

quinta-feira, 15 de novembro de 2007

Os livros e as histórias


“Quem nunca se escondeu por debaixo dos cobertores da cama a ler à luz da lanterna eléctrica, depois de o pai ou a mãe ou qualquer outro adulto lhe ter apagado a luz, com o argumento bem-intencionado de que são horas de ir para a cama, pois no dia seguinte é preciso levantar cedo...
Quem nunca chorou, às escondidas ou diante toda a gente, lágrimas amargas porque uma história maravilhosa chegou ao fim e é preciso dizer adeus a personagens na companhia das quais se viveram tantas aventuras, que se amaram e admiraram, pelas quais se temeu e ansiou, e sem cuja companhia a vida parece vazia e sem sentido....
Quem não conhece tudo isto por experiência própria provavelmente não pode compreender o que Bastian fez em seguida...”


Fragmento de A história interminável, Michael Ende



Este é um dos meus fragmentos favoritos.

É verdade, recordo-me perfeitamente das aventuras que passei com um livro, e que ainda passo.

Há dias, posso mesmo dizer à anos, ia no comboio a ler aquele que passou a ser o meu livro para sempre, Ensaio sobre a Cegueira de José Saramago, quando dei por mim a chorar compulsivamente, levando um senhor a perguntar se eu estava bem.

É que estava a sentir exactamente o que as personagens sentiam, o cheiro, a fome, a angústia...

Foi único, e tenho a certeza que mais ninguém sentiu o que eu senti, porque os livros são assim mesmo, transmissores de sentimentos únicos.


É por isso que contar histórias é importante. Não me digam que não incentiva à leitura, porque eu leio desde que comecei a ouvir histórias em pequena.

Contar histórias é o salto para o livro, a criança ao chegar a uma certa idade, sente necessidade de viver as suas experiências sozinho, por isso recorre ao livro.

Talvez por isso me tenha tornado contadora de histórias porque, tive necessidade de transmitir o que sentia ao ler os livros sozinha.



Pelo sonho é que vamos, bem me disse o escritor António Mota e eu acredito...

terça-feira, 13 de novembro de 2007

Quem me leva os meus fantasmas



Porque será que as pessoas (ditas normais) continuam a fingir que estas pessoas não existem.

Passam por elas, olhando para o lado como se nada estivesse mal...

Não entendo... bastava dar uma mão, um pedaço de pão ou simplesmente um abraço.

Obrigado Pedro, por cantares e mostrares aquilo que todos nós sabemos que existe mas, por vezes preferimos voltar as costas para não sofrermos.

terça-feira, 6 de novembro de 2007

Amo-te


Hoje estava sol,
Quis estar contigo mas tu não estavas,
Ou não querias estar…
O meu coração sofre,
Tudo porque ama e quer ser amado.
E logo hoje que tudo estava preparado,
Tudo estava sentido.
Sabia exactamente o que dizer
E como dizer…
Amo-te
Unicamente Amo-te.
Nunca o disse a ninguém
E hoje, logo hoje,
Tu não estavas…
Mais uma vez o meu coração sofre,
Tudo porque tem esta palavra para dizer,
Tudo porque sente aquilo que nunca sentiu.

Hoje tu não estavas,
E no meu coração continua,
Aquela palavra suspensa,
Louca por sair e dizer
AMO-TE

segunda-feira, 5 de novembro de 2007

Pensamentos



Páro,
Penso...
Julgo que estou sozinha,
Mas vejo em mim a companhia...
Puros pensamentos
Inundam o meu ser...
Não sei quem sou,
Nem tão pouco,
Sei o que quero...
Apenas sei que sou sonhadora
E por isso
Quero voar, voar...

sexta-feira, 2 de novembro de 2007

Hipocrisia


Se pelo menos pudesse falar,
Diria tudo o que me vai na alma.
Diria que não acredito na realidade,
Que a imaginação é que me acalma...

Gritava: BASTA!!!

Não quero mais guerra,
Não suporto a hipocrisia,
O mundo precisa de paz, sinceridade e união.

Mas como não posso falar,
A sociedade não autoriza
Vivo nos pensamentos, e lá…
Posso e consigo mudar o mundo,
Posso e consigo melhorar o mundo,
Posso e consigo unir as mãos dos homens,
E fazê-los acreditar que somos todos iguais
Que ninguém é mais que ninguém.
Abaixo a hipocrisia!

segunda-feira, 29 de outubro de 2007

Sonhar a contar





Nos dias que correm, conversar tornou-se uma forma de comunicação quase esquecida.
Os dias passam, o mundo não pára, por isso conversar é cada vez mais considerado, uma perda de tempo.
As crianças vivem rodeadas de meios de comunicação e, é apenas na escola que têm o seu tempo de conversa, embora condicionada.
Não nos podemos esquecer dos primórdios da humanidade, em que a comunicação verbal e gestual era a única forma de conversar.
E não há muitos anos atrás, os nossos avós passavam as suas ceias a contar histórias e lendas aos seus netos. Nesse tempo não havia televisão.
Hoje, o simples acto de contar histórias tornou-se quase num bem precioso.

E o que eu quero é transmitir esse bem precioso, a todos os que adoram a palavra e a simples forma de contar, tal como os nossos avós o faziam, de uma forma tão simples e tão mágica...



Historieta

A velha da casa do alto da serra
Contava ao menino histórias espantosas
A velha dizia que havia na terra
Fadas, feiticeiras e bruxas maldosas

Mas quando o menino cresceu em idade
E trocou a serra pela povoação
E foi para a escola que era na cidade
Aprendeu coisas tal como são.

Passaram-se anos e então... quis voltar
E ao subir a serra ficou admirado
De encontrar a velha a fiar
Tal como nos dias de tempo passado.

Quis explicar-lhe então... nessa mesma hora
Tudo o que aprendera e tudo o que ouvira
Quis dizer à velha que sabia agora
Que em suas histórias tudo era mentira.

- Tanta coisa, tanta coisa que tu me dizias
Histórias tão esquisitas e tão baralhadas
Nãos sei para quê tantas fantasias
Se afinal as coisas estão inventadas!

- Lembras-te da bruxa que tinha a mania
de andar na vassoura de varrer o chão
Voando nos ares de noite e dia?
Se queria voar.....tinha um avião!

E o conto pateta da princesa bela
Que foge do gigante seu amo e senhor
E deixa um cuco a falar por ela
Como se o cuco fosse um gravador.

E aquele rochedo do Ali-Babá
Que abria e fechava com certas falinhas
Mas que disparate! Agora há portas
Que se abrem e fecham sozinhas!

A velha ia ouvindo toda a explicação
Que parecia nunca mais ter um fim
Até que encontrou uma ocasião
De poder falar e falou assim:

- Se os homens fizeram o que pensaram
Sonharam bem antes do realizar
E se o conseguiram, foi porque sonharam
Sonhos que ninguém queria acreditar.

- E os contos de fadas, sempre repetidos
De velhos e novos pelas gerações,
Traziam em si sonhos escondidos
Que os homens guardaram em seus corações!!


Poema Popular Português

quarta-feira, 24 de outubro de 2007

Não quero guerra



Não quero guerra,
Nem tão pouco gosto de revoluções
Mas também não quero fingimento.
Deus quando concebeu o homem,
Não foi com esta vontade certamente...

Imbecis...
São uns imbecis...
Procuram nos outros
Aquilo que eles próprios não têm.
Sorriem por fingimento,
Falam por conveniência
Actuam para seu próprio proveito.

BASTA!!!

Não quero este mundo,
Não gosto desta vida,
As revoluções existem
Porque há alguém a querer tirar
O que é de toda a gente.


Só me resta,
Lutar
Mas não luto com as mãos
Não gosto de sangue,
Luto com o coração
E uso as palavras
Para lhe dar voz...

Um dia isto muda,
Muda,
Meu Deus,
Acreditem.

Por isso,
Perdoai-lhes senhor
Porque eles não sabem o que fazem...

terça-feira, 16 de outubro de 2007

Paraíso



















Palavras para quê,estamos em Portugal (Açores)...

terça-feira, 9 de outubro de 2007

Sem Ti


A viola toca…
Toca, suave e lenta
Como se esperasse algo…
E eu aqui estou,
Sem ti.

Procuro não pensar,
Mas o meu coração sente…
Tento procurar-te
Erguendo o olhar sobre
O horizonte, e nada,
Tu não estás.
Mas será que virás?

A viola toca,
Agora mais expressiva
Como se procurasse algo.
E eu, ao som da viola
E com o olhar fixo a um copo
Ouço,
Choro,
E espero…
Um dia vou encontrar-te!

sábado, 6 de outubro de 2007

Amália Sempre - Lágrima


Cheia de penas me deito

E com mais penas me levanto

Já me ficou no meu peito

O jeito de te querer tanto


Tenho por meu desespero

Dentro de mim o castigo

Eu digo que não te quero

E de noite sonho contigo


Se considero que um dia hei-de morrer

No desespero que tenho de te não ver

Estendo o meu xaile no chão

E deixo-me adormecer


Se eu soubesse que morrendo

Tu me havias de chorar

Por uma lágrima tua

Que alegria me deixaria matar.


Amália Rodrigues



Que descanse em paz esta diva que tanto nos encantou e que continuará para sempre nas nossas memórias.

Este é um dos meus poemas favoritos

quarta-feira, 3 de outubro de 2007

Reflexão


Às vezes é necessário parar para pensar na nossa existência.

O que somos, porque aqui estamos, o que fazer como fazer...

Através de uma amiga, conheci um livro muito interessante que fala sobre o Homem na sociedade, a sua forma de estar.

Uma grande verdade com a qual temos de viver mas, que para algumas pessoas, como eu por exemplo, é difícil de aceitar, a mentira:



“(…)Já ninguém diz a verdade sobre nada. Pelo menos, sobre as coisas importantes. Toda a gente mente a toda a gente, e toda a gente o sabe. Costumava ser o nosso segredinho sujo, que agora já nem sequer é sujo, porque se tornou tão banal que agora os que dizem a verdade é que são sujos. Os que denunciam as ilegalidades e os honestos é que são criticados; as pessoas cem por cento honestas são apresentadas como exemplo de um comportamento socialmente inaceitável.(…)

Por isso agora as pessoas têm medo de ser honestas. Depois de séculos de formação nesse sentido, sentem-se apanhadas numa ratoeira que elas próprias criaram e, no entanto, vivem com medo daquilo que tem precisamente o condão de as libertar. A verdade sara e elas estão convencidas de que a verdade magoa.(...)"

Juro por Deus / Neale Donald Walsch e Brad Blanton. Pergaminho

terça-feira, 2 de outubro de 2007

Pensamentos


Páro,
Penso...
Julgo que estou sozinha,
Mas vejo em mim a companhia...
Puros pensamentos
Inundam o meu ser...
Não sei quem sou,
Nem tão pouco,
Sei o que quero...
Apenas sei que sou sonhadora
E por isso
Quero voar, voar...

segunda-feira, 1 de outubro de 2007

Dia Mundial da Música


Parabéns a todos os que, de uma forma ou outra,

permitem que a música seduza os nossos corações.


A música faz parte da nossa vida,

permite eternizar momentos,


VIVA A MÚSICA!

domingo, 30 de setembro de 2007

Apenas ler


Pegar num livro que nunca tenha lido, abri-lo,

ver palavras e mais palavras, pequenas ou grandes imagens e...

A partir daí, sonhar, ver o que a nossa imaginação quiser,

criar o que o nosso coração desejar.


Já alguém sentiu um arrepio ao ler um livro?

E vontade de chorar, ou rir, ou simplesmente suspirar?


É isso que faz um livro ser tão especial,

nosso amigo...