quinta-feira, 30 de outubro de 2008

O que é o mobbing?

Hoje assisti a um debate na Sic sobre mobbing. Fiquei atenta porque nunca tinha ouvido falar em tal palavra embora, tenha percebido imediatamente que, conheço esse significado bem de perto.

O que é o mobbing?

Violência moral ou psíquica no trabalho: actos, atitudes ou comportamentos de violência moral ou psíquica em situação de trabalho, repetidos ao longo do tempo de maneira sistemática ou habitual, que levam à degradação das condições de trabalho idôneo, comprometendo a saúde ou o profissionalismo ou ainda a dignidade do trabalho.

Por que existe o mobbing?

Na maioria dos casos, na origem das situações está o dinheiro: gorjetas, gratificações, trabalhos paralelos etc, que alguns, em virtude da própria posição, exigem e consideram justo pedir. Em algumas ocasiões, pode ser também que na origem do mobbing esteja algum preconceito (por ser gordo, p.ex.). Outras vezes, o mobbing atinge algum empregado “rebelde” quando, por exemplo, o mesmo rejeita trabalhar de domingo, apelando para o seu contrato de trabalho.

É preciso, contudo, distinguir o mobbing de alguns comportamentos semelhantes como o bossing (uma espécie de mobbing entre chefes de trabalho), o protecionismo dos quartéis, a sedução sexual das secretárias que não querem submeter-se a tanto. Todos estes casos manifestam somente sintomas de mobbing.

O mobbing refere-se à vontade de libertar-se da pessoa incómoda através do afastamento/aposentadoria ou da demissão. No início, o fenómeno é vertical: do chefe ao empregado. Mas, em certos momentos, também passa a ser horizontal, entre os colegas de trabalho.

O quê o mobbing provoca?

Muitos danos: ansiedade, insônia, depressão, e, nos casos mais graves, distúrbios (algumas vezes irreversíveis) da psique, além do aparecimento de patologias como eczemas, erupções cutâneas, tumores....

O que fazer diante do mobbing?

Duas coisas: resistir (resistir, resistir, resistir) e recolher provas. Por quê? Porque as firmas começarão a parar de usar o mobbing quando os juízes julgarem as firmas e lhes derem alguma sentença pesada.

1 comentário:

Ana Patudos disse...

Palavras certas para definir tais actos e quem os pratica.
Mas como diz a canção:
Não há machado que corte
A raíz ao pensamento...
Kisses
AP