segunda-feira, 29 de outubro de 2007

Sonhar a contar





Nos dias que correm, conversar tornou-se uma forma de comunicação quase esquecida.
Os dias passam, o mundo não pára, por isso conversar é cada vez mais considerado, uma perda de tempo.
As crianças vivem rodeadas de meios de comunicação e, é apenas na escola que têm o seu tempo de conversa, embora condicionada.
Não nos podemos esquecer dos primórdios da humanidade, em que a comunicação verbal e gestual era a única forma de conversar.
E não há muitos anos atrás, os nossos avós passavam as suas ceias a contar histórias e lendas aos seus netos. Nesse tempo não havia televisão.
Hoje, o simples acto de contar histórias tornou-se quase num bem precioso.

E o que eu quero é transmitir esse bem precioso, a todos os que adoram a palavra e a simples forma de contar, tal como os nossos avós o faziam, de uma forma tão simples e tão mágica...



Historieta

A velha da casa do alto da serra
Contava ao menino histórias espantosas
A velha dizia que havia na terra
Fadas, feiticeiras e bruxas maldosas

Mas quando o menino cresceu em idade
E trocou a serra pela povoação
E foi para a escola que era na cidade
Aprendeu coisas tal como são.

Passaram-se anos e então... quis voltar
E ao subir a serra ficou admirado
De encontrar a velha a fiar
Tal como nos dias de tempo passado.

Quis explicar-lhe então... nessa mesma hora
Tudo o que aprendera e tudo o que ouvira
Quis dizer à velha que sabia agora
Que em suas histórias tudo era mentira.

- Tanta coisa, tanta coisa que tu me dizias
Histórias tão esquisitas e tão baralhadas
Nãos sei para quê tantas fantasias
Se afinal as coisas estão inventadas!

- Lembras-te da bruxa que tinha a mania
de andar na vassoura de varrer o chão
Voando nos ares de noite e dia?
Se queria voar.....tinha um avião!

E o conto pateta da princesa bela
Que foge do gigante seu amo e senhor
E deixa um cuco a falar por ela
Como se o cuco fosse um gravador.

E aquele rochedo do Ali-Babá
Que abria e fechava com certas falinhas
Mas que disparate! Agora há portas
Que se abrem e fecham sozinhas!

A velha ia ouvindo toda a explicação
Que parecia nunca mais ter um fim
Até que encontrou uma ocasião
De poder falar e falou assim:

- Se os homens fizeram o que pensaram
Sonharam bem antes do realizar
E se o conseguiram, foi porque sonharam
Sonhos que ninguém queria acreditar.

- E os contos de fadas, sempre repetidos
De velhos e novos pelas gerações,
Traziam em si sonhos escondidos
Que os homens guardaram em seus corações!!


Poema Popular Português

1 comentário:

Ana Patudos disse...

E tu minha amiga, tens o dom de dar magia às palavras, por isso as crianças gostam tanto de as ouvir contar.
Eu também te oiço e aprendo sempre que daz a voz às palavras e digo-te que são momentos de pura magia.
jinhos da
Ana Paula